Moçambique é um país onde a cultura ancestral se cruza com a cultura europeia. Maputo, a capital, é actualmente uma cidade vibrante com novos acordares, parece buscar o pilar de cultura que outrora foi. Eventos culturais são cada vez mais surpreendentes e fundem as diferentes culturas presentes em Moçambique. O país é rico em paisagens, desde praias de areia branca até às planícies verdejantes de animais selvagens. Grande parte destas paisagens parecem ainda inexploradas o que aumenta a adrenalina na procura. As pessoas são gentis e de sorriso fácil.

Ficaste curioso e queres saber como chegar a Moçambique? Relaxa.Vais encontrar aqui recursos e recomendações para viajantes independentes que fazem escolhas sustentáveis.

Estas informações são baseadas a partir das nossas experiências pessoais. Lê opiniões de outros viajantes no nosso grupo exlusivo no Facebook.

vai direto ao assunto

Como chegar
Orçamento Sugerido
Custo de Vida
Dicas para poupar
Onde ficar
Como se deslocar
Quando ir
cuidados de viagem
Reservar viagem
Livros e Filmes Sugeridos
Guias de Viagem
Artigos

 

localização

 

destaques

  • Destino ideal para aventureiros que desejam conhecer uma África profunda cheia de história e natureza.

  • Praias de perder de vista, planícies férteis, extensos planaltos, maciços montanhosos, savanas e ilhas paradisíacas.

  • Um dos melhores lugares para a prática de mergulho do mundo.

  • Existem cerca de 43 línguas em Moçambique, na sua maioria são de origem Bantu e são largamente faladas. No entanto, os habitantes do sul não compreendem a língua do norte e vice-versa.

A notebook and a pencil

Notas

Clima: Tropical e Subtropical
Localização: África subsariana
Fronteiras: Malawi 1498 km; África do Sul 496 km; Eswatini (Suazilândia) 108 km; Tanzânia 840 km; Zâmbia 439 km; Zimbabwe 1402 km
Língua Oficial: Português + 43 línguas e dialectos.
População: 27,233,789 (Julho 2018 est.)
45% da população tem menos de 15 anos
36% da população vive em áreas urbanizadas
Moeda: Metical (1 EUR = 70 meticais)
Fuso Horário: GMT +2
Área Total: 799,380 sq km

 

Encontra o teu Guia de Cidades

Guia de viagem para Maputo
Guia de viagem para Maputo

Guia de viagem para a Beira
Guia de viagem para a Beira

Guia de Viagem para Inhambane
Guia de Viagem para Inhambane

 

quando visitar moçambique

Moçambique só tem praticamente duas estações, verão e inverno (chamam-lhe inverno, mas nem por sombras aquilo são temperaturas de inverno, parece mais primavera). O pico do verão coincide com o Natal e a passagem de ano e o clima que se sente nas pessoas faz lembrar os santos populares em Portugal. Os preços sobem por esta altura e se fazes planos para passar o ano novo em Moçambique planeia com pelo menos 8 a 6 meses de antecedência, há mesmo muita procura.

Em Tete as temperaturas no verão podem chegar a 40º centígrados ou mais e por isso não é aconselhável viajar nessa zona do país nessa altura.

A partir de Março as temperaturas descem mas são bastante agradáveis e coincidem com as temperaturas do verão/primavera de Portugal. A época das chuvas é no verão e por isso podes ter a sorte de testemunhar uma tempestade tropical, daquelas em que parece cair um rio em cima de ti num espaço de segundos mas o calor é tanto que não percebes como tudo se conjuga tão bem.

Agosto é também um mês preferencial de férias visto que grande parte do mundo tem férias nessa altura. Os preços, como por exemplo os voos, aumentam e por isso não é um mês barato de se viajar.

Moçambique é sempre um país agradável para viajar, no entanto, se procuras calor intenso o melhor é ires entre Novembro a Fevereiro.

Entre Janeiro e Fevereiro, no sul de Moçambique e há muitas hipóteses de chuva torrencial - aconselhamos que evites o Arquipélago de Bazaruto nesta época. Se o foco da tua viagem é observar vida selvagem, a melhor altura será entre os meses secos de Agosto a Setembro, quando a vida selvagem está concentrada em torno de rios e poços d'água.

 

como chegar a moçambique

 

avião

Maputo é a principal porta de entrada de voos internacionais. Existem directos Lisboa - Maputo mas é também comum fazer a ligação em Luanda ou Joanesburgo. Não existem voos directos a partir do Brasil sendo a escala geralmente feita em Joanesburgo ou Capetown. Os preços variam consoante a época, podendo variar entre 400 a 1000 EUR ida e volta.

Moçambique tem onze aeroportos. Maputo é o principal aeroporto de Moçambique mas existem várias ligações domésticas que ligam o país pelo ar. Vê aqui os aeroportos de Moçambique (FAZER UMA ÂNCORA PARA BAIXO)



chapas/mini-bus e autocarros/Ônibus

A ligação com os países circundantes é feita maioritariamente por chapas e alguns autocarros. Existem companhias de cada país a fazer estes percursos e a forma mais simples de obter informação acerca de um chapa é ir directamente ao terminal de chapas. Pode parecer um conselho óbvio mas na verdade é muito mais simples perguntar na rua onde fica o terminal de chapas/mini-bus porque a partir daí descobre-se onde e quando partem. A informação na internet é escassa e rapidamente pode ficar desactualizada. No entanto, como existem companhias de autocarros que fazem o percurso Joanesburgo - Maputo, espreita no rome2rio preços e percursos. Podes ainda consultar o nosso grupo no facebook.

alugar carro

Esta é sempre uma boa hipótese para fazer a travessia. O melhor é ter um 4x4 para se adaptar a todo o tipo de estradas e pisos, mas as estradas principais estão todas alcatroadas por isso não é problema se usares um carro sem tracção às quatro rodas. Os carros são na sua maioria automáticos. Alugar carro em África pode ser caro e por isso há também a hipótese de reunir um grupo e alugar em conjunto.

Confuso com o nome chapa? Salta para aqui e percebe tudo

 

Antes de partir

Há muito por fazer antes da partida. Não desesperes porque vais encontrar aqui tudo o que precisas.

 

requisitos para pedir Visto para moçambique

lista de documentos a levar na viagem

Faz um seguro de viagem

Perguntas mais frequentes

Que documentos tenho de tratar antes da viagem?

O documento mais importante é o visto de turismo que tem de ser tratado presencialmente na Embaixada em Lisboa ou Consulado no Porto. Atualmente podes pedir um Visa On Arrival para Moçambique mas está sujeito a uma justificação.

Com que antecedência tenho de começar a preparar a viagem?
O ideal é começares pela consulta do viajante, marca com 4 a 6 semanas de antecedência. Em seguida vai tratando do visto e dos restantes documentos. Dependendo do tipo de viagem terás diferentes documentos a levar contigo, por exemplo, se fores de mochila às costas provavelmente só terás reservada a primeira estadia e pelo caminho vais marcando.

A consulta do viajante é obrigatória?
A consulta não é obrigatória mas recomendada. O médico é especialista nesta matéria e será bom conversares com ele acerca dos cuidados de saúde a ter na viagem.

Onde posso marcar a consulta do viajante?
O SNS disponibiliza este serviço através dos Centros de Vacinação Internacional espalhados pelo país. Sabe mais no nosso artigo sobre a consulta.

Devo tomar a medicação para a Malária?
O médico na consulta do viajante, provavelmente, vai aconselhar que faças profilaxia. É uma escolha tua fazer ou não. Aconselhamos vivamente que tenhas atenção aos efeitos secundários do medicamento. O Luís teve uma má experiência.

Que vacinas devo tomar?
A vacina obrigatória para entrada no país é a da Febre Amarela. No entanto, o médico especialista poderá aconselhar outras vacinas que ficarão ao teu critério tomar ou não.

Que documentos tenho de tratar antes da viagem?

O documento mais importante é o visto de turismo que tem de ser tratado presencialmente na Embaixada em Lisboa ou Consulado no Porto. Atualmente podes pedir um Visa On Arrival para Moçambique mas está sujeito a uma justificação.

As autoridades locais poderão conceder, a título excecional e apenas para fins turísticos, um visto de fronteira a cidadão estrangeiro proveniente de país onde exista representação consular moçambicana (como é o caso de Portugal), quando este demonstre, fundamentadamente, a impossibilidade de solicitação atempada do visto junto da representação consular. A concessão do visto de fronteira está dependente ainda da verificação, no posto de travessia, dos demais requisitos gerais e específicos exigidos para o visto de turismo. O visto de fronteira é válido para duas entradas e permite a permanência neste país por um período de 30 dias, não prorrogável. 

Boletim da República | República de Moçambique | 24 de Março de 2017

Não temos conhecimento de vistos recusados mas é sempre um risco pedir o visto no aeroporto quando há outra alternativa. Se já tiveste esta experiência partilha nos comentários.

 

o que ver

Moçambique não é ainda um país turístico e com isto quero dizer que apesar de já existirem sítios, como restaurantes e alojamentos idealizados para o turismo, ainda não há uma mentalidade generalizada de receber turistas. Isto pode ser fantástico! Por um lado, encontras um país com uma paisagem fenomenal e ainda sem vícios turísticos, mas ao mesmo tempo sentes falta de informação e de um atendimento mais cuidado. Cabe também, a nós viajantes e turistas mudar esta realidade, respeitando e usufruindo dos espaços e acima de tudo alertando para o que pode ser melhorado e agradecendo o que já está perfeito assim mesmo. Dito isto, deixamos aqui algumas sugestões do que pode ser visto e feito em Moçambique, isto é apenas para deixar água na boca.

reserva dos elefantes de Maputo

praias

experiências locais

mergulho

maputo

parque nacional da gorongosa

ilha de moçambique

 

custos de viagem em moçambique

Os preços em Moçambique mostram os extremos do país. Enquanto que um café te pode custar cerca de 1EUR (70 meticais), uma viagem de chapa (transporte público) custa em média 14 cêntimos (10 meticais). Como vês, há preços para todos os gostos mas a tendência é que o turista pague caro. Na cidade verás que os preços nos restaurantes e supermercados não diferem muito de Portugal.

Em geral, viajar em África é mais caro do que se possa pensar. Só agora começam a aparecer alternativas de alojamento em conta. Os transportes podem ser bastante baratos se estiveres disposto a viajar como os locais o que pode ser muito desconfortável. Não incluímos voos domésticos em Moçambique neste orçamento, porque são de facto caros.

Esta análise de custos baseia-se na nossa experiência: dois viajantes que dão mais ênfase a experiências, hosteis, couchsurfing e usam transportes públicos. Os valores apresentados são por pessoa. Os preços vão variar ao longo do país. Em seguida encontrarás um resumo dos gastos que te esperam nesta viagem. O orçamento foi pensado para um backpacker, mas podes sempre adaptar àquilo que procuras.

ORÇAMENTO POR DIA
30-40 EUR por pessoa

MOEDA LOCAL
Metical

GORJETAS
Os salários são muito baixos, ainda assim não é obrigatório que dês gorjetas.

Média por dia

ATM E CARTÕES DE CRÉDITO
Existem caixas multibanco por todo o país mas nas cidades ou vilas mais pequenas existe apenas um ou dois e as filas para se levantar dinheiro podem ser longas. Os cartões internacionais são aceites. A maioria dos estabelecimentos aceita pagamento com cartão mas quanto mais fores para o interior menos sítios terão multibanco disponível. Cartões Visa, MasterCard e American Express são amplamente aceites em hotéis, restaurantes e lojas, e na maioria dos ATMs. Antes de viajares verifica com o teu banco quais as taxas para levantamentos internacionais.

 Customer is paying with a credit card

REVOLUT NOS TEUS LEVANTAMENTOS

Podes também usar o cartão Revolut para fazer levantamentos mais vantajosos. Aconselhamos a usar o Revolut ou o N26.

 

custos de alojamento

Uma cama num hostel pode custar entre 10-20 EUR por noite. Nas cidades e principalmente em Maputo esse valor sobe pelo menos 10 EUR. Aqui estamos sempre a indicar valores para backpackers, mas existem outras alternativas como lodges entre 30-80 EUR e resorts a valores que ultrapassam os 100 EUR noite.

  • Aluga um lodge
    Algo que também é comum em Moçambique é o aluguer de várias casas num lodge. Se conheceres um grupo grande, ao longo da viagem, também é uma experiência interessante de se ter e podem dividir os custos.

  • Explora o Airbnb
    Interessante também será explorares o Airbnb, surpreendentemente compensa mais alugar um quarto ou uma casa ao longo do país do que ficar num hotel.

  • Usa o Couchsurfing
    Outra das hipóteses é o couchsurfing, super interessante de se fazer em países como Moçambique porque tens acesso directo a uma pessoa local que te pode levar a conhecer todos os cantos e mais importante ainda a compreender a cultura e a maneira de ver a vida de uma forma completamente diferente.

Ganha 35 euros com a tua primeira reserva

Se ainda não tens Airbnb inscreve-te por este link e ganha 35 Eur na tua primeira reserva

 

Custos de Alimentação

 

Num restaurante barato as refeições podem variar entre os 3-10 EUR dependendo da zona do país, mas em geral por 3 EUR já comes um quarto de frango, arroz, batata frita e salada. Prepara-te porque vais comer muito frango!

poupa com comida local

Se queres comer barato come onde os habitantes locais comem mas tem atenção às condições de higiene em que a comida é confeccionada.

Podes também encontrar pequenas bancadas de rua onde se vende frango assado na brasa e peixe assado por muito pouco, um pequeno peixe pode custar cerca de 14 cêntimos, ou seja, por menos de um euro comes meia dúzia de peixes. Há também pessoas que cozinham em casa e vendem a comida na rua, nos seus carros ou atrelados, custa entre 2-4 EUR.

Procura só almoçar fora porque é quando a oferta de pratos e preços é maior. Ao jantar, se for possível, cozinha e acabarás por poupar mais.

Uma das vantagens do hostel ou couchsurfing é o acesso à cozinha, onde podes confeccionar uma ou outra refeição. Se comprares os teus produtos no mercado ou na rua podes negociar o valor e normalmente é mais baixo que no supermercado.

Gere o teu orçamento sabendo que nas cidades irás gastar mais e que pelo menos uma vez possas cometer uma indulgência.

Às vezes temos surpresas, fomos ao restaurante do resort Sentidos Beach Retreat, resort onde um quarto ronda os 300 EUR noite (uma noite aqui acabava com o nosso orçamento num instante), e almoçamos muito bem por cerca de 25 EUR os dois. Fomos extravagantes nesse dia, mas um almoço a cerca de 12,5 EUR pessoa num hotel deste género compensou bastante.

tem cuidado com a ÁGUA!

A água da torneira não é potável. Não a bebas ou cozinhes sem antes a ferveres, se estás em viagem compra água engarrafada para teres contigo ou uma garrafa que filtre a água. Nós usamos a Gray.

Um dos conselhos que vais ouvir na consulta do viajante é não aceitar bebidas com gelo. Já bebemos várias vezes e nunca tivemos nenhum problema, no entanto basta ter azar uma vez.

 

Actividades

Uma ida ao Parque Nacional da Gorongosa custa, no mínimo, 32 EUR pessoa, visto que não é possível entrar com o próprio carro e para visitar é necessário pagar um safari. Podes ainda fazer safaris no mar no Tofo que custam por volta de 40 EUR ou visitar Bazaruto ou Santa Maria de barco. Aqui o valor pode variar porque vai depender se alugas um barco e divides entre todos ou se compras um lugar em barcos que fazem este percurso, mas o valor pode rondar os 40-50 EUR por pessoa.

Tens ainda a hipótese de fazer snorkling e mergulho. A zona do Tofo em Inhambane é conhecida por ter boas empresas de mergulho que providenciam estes serviços.

 

Dicas de poupança

Aqui ficam algumas dicas gerais para poupares dinheiro. Em Moçambique podes encontrar coisas muito baratas e coisas muito caras daí termos colocado que por dia poderias gastar entre 30-40 EUR. De certo que terás dias que 10 EUR serão suficientes mas noutros os 40 EUR são realistas. Como podes ver pelas actividades estas são as que sugam mais o teu orçamento.

  • Come local - Procura comer nos mesmos sítios que os habitantes comem. Aproveita as vendas de rua ou as barracas.

  • Couchsurfing - Inscreve-te em couchsurfing.com e aproveita. Nem sempre é fácil encontrar um local para ficar mas vale a pena ir tentado.

  • Usa os transportes públicos - Se queres poupar não uses avião. Usa os transportes que os moçambicanos usam, chapa e my love.

  • Negoceia preços nos mercados e na rua - Uma das vantagens de África é que podes negociar preços. Consegue um bom preço mas sê justo no que pedes.

 

onde ficar em moçambique

Estes são alguns dos lugares que mais gostámos de ficar em Moçambique. Visita o guia de cidades para encontrares ainda mais selecções.

 
Textured Background

É arriscado usar couchsurfing em moçambique?

 

Circular dentro de moçambique

Moçambique não é de todo um país com uma rede de transportes públicos eficaz. Deslocares-te pode ser um problema. A rede ferroviária é praticamente inexistente e a que existe é mais utilizada para transporte de mercadorias que para transporte de passageiros, por isso não iremos abordar este meio de transporte.

 

Voos domésticos

Viajar de avião não é uma opção em conta para um viajante de mochila às costas. Os voos domésticos são normalmente caros, 350 EUR ida e volta, e as queixas de atrasos em voos da companhia área moçambicana - LAM - são frequentes. No entanto, se tens pouco tempo para viajar e queres ver duas zonas distantes, o melhor é ires pelos ares (viste a troca de palavras que fizemos aqui!).

Companhias aéreas para voos domésticos

Até há pouco tempo apenas a LAM fazia voos domésticos mas os vários problemas que apresentava forçou a entrada de mais operadores no mercado. Também há operadores de helicópteros privados. LAM, Hahn Air e Ethiopian Airlines

Aeroportos de Moçambique:

Aeroporto Internacional de Maputo, Aeroporto Internacional da Beira, Aeroporto Internacional de Nacala, Aeroporto de Inhambane, Aeroporto de Vilankulo, Aeroporto de Pemba, Aeroporto de Chimoio, Aeroporto de Quelimane, Aeródromo de Tete, Aeródromo de Lichinga e Aeródromo de Nampula.

 

Autocarros (Machibombo)

O Governo tem feito aquisições de autocarros mas apenas os vais ver a circular nas principais avenidas de Maputo. Os mais populares autocarros são uns minibus que se chamam Machimbombo ou Chapa Smart Kika. Empresa Municipal de Transportes Públicos da Matola (EMTPM) é a empresa responsável pelos transportes públicos Maputo - Matola.

Em Moçambique não existem propriamente autocarros. Poderás encontrar alguns na zona de Maputo/Matola mas não são de todo correspondentes à procura. Então como se deslocam as pessoas?! Grande questão! Existem chapas, my loves, xtopelas, taxis e bicicletas taxi. Vamos ver um a um.

Chapa

São velhas carrinhas Toyota Hiace muito usadas que funcionam como principal transporte público por todo o país. Uma viagem na cidade custa cerca de 14 cêntimos (10 meticais), uma viagem Maputo-Inhambane custa cerca de 11 euros (700 meticais). Apesar de existirem horários de saída aproximados, se apanhares um chapa de longo curso no terminal de chapas, ele só sai quando estiver cheio, mesmo que isso implique esperar 1h ou mais. Como a necessidade é maior que a procura a maioria dos transportes estão demasiado lotados.

Tem cuidado se viajares em hora de ponta num destes transportes. O limite de pessoas que cada um pode levar não é de todo respeitado. Os carteiristas estão atentos a estes momentos e é quando actuam. Não deixes nada à vista que possa ser retirado sem reparares.

Txopela

Uma espécie de Tuk Tuk. Funciona como um táxi, mas são mais baratos. O preço é negociado no início da viagem. Não entres no txopela sem antes saberes o preço. Normalmente os preços começam nos 1.50 EUR (100 meticais).

My Love

Carrinha de caixa aberta que transporta pessoas. Chama-se My Love porque devido ao movimento da carrinha as pessoas têm de ir agarradas umas às outras para não caírem.

 

Táxi e ciclotáxi

Táxi
Os carros são velhos e sem taximetro mas normalmente a base de um táxi são cerca de 3 EUR (200 meticais) para distâncias curtas. Os preços devem ser negociados antes da partida. Se escolheres antes andar num táxi ou txopela tens mais conforto e menos probabilidade de encontrar um carteirista mas irás gastar muito mais. Não te esqueças de negociar sempre o teu preço antes da viagem, de forma a evitares esquemas.

Ciclo-táxis
Não é um transporte escolhido por ser ecológico mas por ser simples e barato. Para quem tem uma bicicleta é possível fazer mais uns trocos transformando-a num táxi. São muito típicas de Quelimane e vale a pena experimentar. Não te esqueças de negociar o preço antes.

nota+(1).jpg

chama um taxi

Existem empresas de táxis para as quais podes ligar e marcar. Caso vás sair muito cedo é aconselhável fazer uma marcação e mesmo assim ter uma alternativa.

 

Partilhar carro
Não é algo comum em Moçambique, podes tentar com expats europeus ou americanos que estejam familiarizados com a prática. Nos sites de partilha de carro também não é habitual surgir este tipo de pedido por isso o melhor é colocares a tua ideia nos grupos do facebook por exemplo no MOZ INFO ou no nosso.

Viajar à boleia (Carona)
Pela nossa experiência, não é fácil conseguir uma boleia em Maputo. O mais provável é que esperem uma compensação financeira pela viagem, mesmo que encontres alguém no hotel que te diz dar boleia, essa pessoa espera dinheiro em troca. Aborda o assunto ANTES da viagem. Nas zonas rurais é mais comum pedir e “oferecer” boleias.

hitchwiki

O site hitchwiki tem as melhores informações sobre viajar à boleia (Carona)

 
 

CUIDADOS DE VIAGEM

 

SEGURANÇA

Um dos maiores choques que tive ao chegar a Maputo foi a quantidade de grades em portas e janelas, arame farpado, guardas e alarmes que existem. Quando se chega a uma cidade assim como não ter medo, afinal do que se protegem as pessoas? No entanto, penso que este ambiente gera mais medo ainda.

Durante o dia não há muitos problemas mas tem cuidado ao andar nas ruas mais movimentadas. Não uses jóias ou mostres o telemóvel na rua. Não andes com grandes quantidades de dinheiro e procura ter contigo moedas e notas de baixo valor. Não te aventures em bairros sozinho. Parecem muitos cuidados mas não são sem sentido.

A polícia poderá pedir-te o passaporte na rua, fazem-no frequentemente, muitas vezes sugerem um refresco como compensação. Apesar de muitas pessoas aconselharem andar com uma fotocópia do passaporte e não com o passaporte em si, os polícias não são obrigados a aceitar a fotocópia mesmo autenticada e esta pode ser uma daquelas situações mais difíceis de sair. Não permitas que te levem para lado nenhum, resolve a situação no sítio onde estás.

Não viajes à noite, principalmente porque as estradas não têm luz e estão em más condições. Se algo te acontecer será muito difícil chamar socorro.

Confia no teu instinto, se sentes que aquela situação não faz sentido então sai dali o mais rápido possível. Um dos rapazes que ficou connosco no couchsurfing foi assaltado assim que saiu do chapa, levaram-lhe o telemóvel da mão. A situação causou grande alarido e um carro completamente descaracterizado com dois ou três homens dentro parou perto dele e disse que o levava à esquadra mais próxima. Ele sentiu que a situação era demasiado estranha e não entrou no carro. Este é um potencial esquema para raptar e assaltar estrangeiros.

Nunca tomes um pelo todo, quero com isto dizer, que caso sejas assaltado sei que terás raiva da situação mas não tomes todos os moçambicanos por aquilo que um te fez, perderás a oportunidade de encontrar pessoas fantásticas.

Faz cópias dos teus documentos pessoais, incluindo o teu passaporte e cartão de identidade. Envia o teu itinerário para pessoas próximas para que eles saibam onde estás ou vai actualizando-os pelo whatsapp.

SAÚDE

Leva repelente! Além de ser possível apanhares malária através do mosquito, eles são extremamente chatos e ninguém gosta de ficar cheio de picadas. Na maioria das zonas é aconselhável que durmas com rede para te protegeres. Tem atenção à agua que bebes para não apanhares nenhuma infecção. Leva também contigo, no teu estojo de primeiros socorros, algo para a diarreia. A famosa diarreia do viajante não perdoa e ataca qualquer um. O HIV e as doenças sexualmente transmissíveis são uma realidade e por isso não tenhas relações sexuais sem protecção. O seguro da World Nomads NÃO cobre doenças sexualmente transmissíveis apanhadas na viagem.

ASPECTOS CULTURAIS

Política é quase sempre um tema delicado, os conflitos entre a FRELIMO e a RENAMO são uma história recente e até há dois, três anos ainda havia uma aura de guerra civil no país. Por isso, não é um tema leve e deve ser considerado com respeito, visto que a morte recente de familiares é ainda um tema profundo.

Os moçambicanos são pessoas simpáticas e conversadoras. Valorizam muito o primeiro cumprimento, o Bom dia e tudo bom? , com a típica resposta Aqui tudo bom, não sei do seu lado, é essencial para uma boa comunicação. Se quiseres aprofundar mais pergunta como se diz bom dia na língua local, por exemplo, em changana (sul de Moçambique) diz-se Lichile.

A capulana, um pano colorido e com diversos padrões com cerca de 1.50 metro, é típica de várias zonas de África, nomeadamente de Moçambique.É usada por homens e mulheres, nas suas roupas. Hoje em dia verás em mochilas, carteiras, bolsas, malas e acessórios. É tradicional a mulher moçambicana usar uma capulana atada à cintura, aliás as mulheres moçambicanas andam com uma capulana na mala SEMPRE! Esquecer-se da capulana é tópico de conversa por não ser habitual.

como evitar esquemas na fronteira

 

reservar em moçambique

Podes utilizar alguns recursos online para fazeres as tuas reservas para Moçambique, principalmente nos primeiros dias quando ainda te estás a ambientar.

  • Momondo – Óptimo para pesquisar voos para Moçambique.

  • Skyscanner –

  • Airbnb – Uma alternativa ao hotel, apesar de em Moçambique existirem muitas ofertas para quartos individuais. (If you’re new to Airbnb, get $35 off your first stay!)

  • Hostelworld – This is the best hostel accommodation site out there, with the largest inventory, best search interface, and widest availability.

  • Couchsurfing – This website allows you to stay on people’s couches or spare rooms for free. It’s a great way to save money while meeting locals who can tell you the ins and outs of their city. The site also lists events you can attend to meet people (even if you’re not staying with someone).

  • Booking.com – The best all around booking site that constantly provides the cheapest and lowest rates. They have a no money down policy, great interface, and the widest selection of budget accommodation. In all my tests, they’ve always had the cheapest rates out of all bookers.

  • World Nomads – I buy all my travel insurance from World Nomads. They have great customer service, competitive prices, and in-depth coverage. I’ve been using them since I started traveling in 2003. Don’t leave home without it!

 

Essencial para levares

Podes ver aqui todos os recursos que usamos nas nossas viagens. Não te esqueças que o tempo em Moçambique é ameno no inverno, quente no verão. Algumas coisas são bastante necessárias, estando no topo da lista o repelente e protector solar.

Acessórios

Câmara
Guia de vida selvagem
GRAYEL - Filtro de água

Roupa

Botas de caminhada
Chapéu de sol / Boné
Fato de banho
Roupa confortável

 

How to Choose and Buy the Right Backpack

 

LIVROS SUGERIDOS SOBRE ÁFRICA

Gostas de ler? Livros são pesados e também não vais querer gastar a bateria do teu telemóvel por isso sugerimos que uses um kobo ou amazon kindle nas tuas viagens. Além de que podes comprar capítulos dos guias da lonely planet (fica-te mais barato) vais ter bateria para ler durante horas. Aqui ficam os livros que mais gostámos sobre África: desde aventuras a ensaios políticos.

Trilogia _As Areias do Imperador_.jpg

As areias do imperador: uma trilogia moçambicana, Mia Couto

São três livros leves de se ler e que mostram uma parte da cultura moçambicana não falada em Portugal. Os livros segredam-nos um pouco o que era o colonialismo no fim do século XIX e início do séc. XX. Ao longo da trilogia acompanhamos a vida de Imani uma rapariga de uma tribo subjugada pelos portugueses e do sargento Germano de Melo, um republicano castigado pela monarquia pela sua participação no golpe de 31 de Janeiro de 1891. O pano de fundo da história é a captura de Ngungunyane (Gungunhane) por Mouzinho de Albuquerque.

 
51k2yniG1wL._SX328_BO1,204,203,200_.jpg

The Battle for Mozambique: The Frelimo–Renamo Struggle, 1977–1992, Stephen A. Emerson

Livro ainda sem tradução em português, mas extremamente interessante e que vale a pena uma leitura. Stephen Emerson, aborda os 16 anos de guerra em Moçambique entre a FRELIMO e a RENAMO, contextualiza o conflito com a guerra fria mas mostra que este foi o reflexo de muito mais que esse período histórico. O livro é baseado na revisão de documentos militares e outros, pesquisas aprofundadas e entrevistas a soldados, militares e figuras centrais.

 

Deixa-nos um comentário no grupo do Facebook se tens alguma sugestão que pensas ser útil para outros viajantes


 

artigos sobre áfrica

ver todos »